sexta-feira, 29 de abril de 2011

Desencontros

Eu te procurei e sem te encontrar ali fiquei, paralisada ao som do vento. De um lado e do outro escadarias que levam à escuridão. Desconhecido? Fiquei o quanto pude, até esquecer-me ali. Para onde ir? Silêncio, só o meu coração insistia em bater descompassado enquanto as lágrimas lavavam a tez branca pálida.

De repente me vi novamente carregada ao som marcado dos vagões. Sou levada cada vez mais longe, sem piedade. "Cheguei mas tu não chegaste", desfila na minha mente Bilac, versos que aprendi quando criança. Não tornei a ver a luz do teu olhar. Não houve a dor da despedida e nem a alegria da chegada, mas a dor da longa ausência lateja sem trégua pelo caminho da existência.

Para recordar o poema de Bilac:

Nel mezzo del camim...

Olavo Bilac

Cheguei. Chegaste. Vinhas fatigada

E triste, e triste e fatigado eu vinha.

Tinhas a alma de sonhos povoada,

E alma de sonhos povoada eu tinha...

E paramos de súbito na estrada

Da vida: longos anos, presa à minha

A tua mão, a vista deslumbrada

Tive da luz que teu olhar continha.

Hoje segues de novo... Na partida

Nem o pranto os teus olhos umedece,

Nem te comove a dor da despedida.

E eu, solitário, volto a face, e tremo,

Vendo o teu vulto que desaparece

Na extrema curva do caminho extremo.

sexta-feira, 22 de abril de 2011

Sagração do Amor

Porque aqui estivemos
Para cá voltaremos
Para retomar o que deixamos
Escrito nesse chão
Espalhado pelo ar
Cravado no coração

Duas crianças brincam
E se entrelaçam
Debaixo do céu azul
E o ar ficou parado
E as árvores registraram
O momento em suas raízes

Rodopiam aqueles dois seres
Inocentes se ausentam
Por breves instantes
Do burburinho ingrato da cidade
Por um minuto a eternidade
Vislumbre de felicidade

Seres cantantes
Vêm ao redor celebrar
Desse amor a sagração
Brincam elas e brinca o tempo
Nas memórias do coração
A distância entre as pessoas não é determinada pela medida do tempo e espaço que as separa, mas sim, pela proximidade de seus corações.

domingo, 10 de abril de 2011

Meu coração tem companhia

Tive um estranho sonho esta noite:
No consultório da cardiologista eu me encontrava.
Diante de nós o resultado do exame,
E com admiração e espanto a médica me dizia:
É claro que seu coração já não funciona normalmente
Quando você nasceu, ele era um, solitário...
Mas veja agora (me mostrando o raio-x)
Ele não está mais sozinho, tem companhia
Um coração nunca mais é o mesmo
Quando existe alguém dentro dele!